Emagrecer com qualidade gera mais resultados do que emagrecer rápido

Junho3

Como faço para emagrecer rápido e com saúde? Será que faço aquela dieta milagrosa ou parto para a cirurgia bariátrica…  Qual é a melhor opção?

Dúvidas que rondam a cabeça de muita gente que já tentou de tudo para entrar em forma e uma das perguntas mais frequentes feita pelos candidatos à cirurgia bariátrica e metabólica.

Há quem faça qualquer coisa na esperança de ver o ponteiro da balança baixar, como dietas mirabolantes que prometem milagres em poucas semanas ou até dias, mas sem qualquer comprovação científica de eficácia.

A primeira coisa importante a se entender, ressaltam os especialistas do Instituto Garrido, é que como qualquer outra doença a crônica, a obesidade pode ou não estar sob controle. Esse controle depende de alguns fatores como as razões que levam a pessoa a engordar e/ou o tipo de método de emagrecimento que ela utiliza.

A pessoa precisa compreender que fazer a operação e redução de estômago é uma decisão para a vida inteira. Não se trata de uma solução mágica ou de um procedimento estético, mas sim, de uma cirurgia para o tratamento de uma doença crônica, a obesidade mórbida.

Outro fator importante é que depois da cirurgia a perda de peso pode variar de pessoa para pessoa. Uns perdem mais logo depois da operação, outros têm perda menor, mas vão emagrecendo de forma progressiva e ajustada até sua estabilização ao redor de 12 a 15 meses de pós operatório. Isso porque a perda de peso é sempre proporcional ao peso inicial e a técnica cirúrgica empregada.

Em média, um ano após a cirurgia a pessoa perde de 30% a 40% do seu peso inicial, observando-se que geralmente é de 8% a 10% ao final do primeiro mês; de 14% a 20% no primeiro trimestre e de 20% a 25% ao final do primeiro semestre.

Por todos estes fatores, os cuidados pré e pós-cirúrgicos devem incluir o acompanhamento multidisciplinar permanente e anual para que a pessoa permaneça saudável e bem longe dos antigos hábitos.

Além disso, é fundamental a orientação de um nutricionista especializado no tratamento da obesidade, para que a dieta pós-bariátrica seja rica em proteínas, para garantir o bom funcionamento do organismo, além de contribuir para redução da dor e desconforto estomacal na fase de adaptação ao novo estômago.